quinta-feira, 4 de maio de 2017

Um garanhão sincero

 Noah só tinha 25 anos, mas achava que sabia tudo sobre as mulheres. Algumas pessoas o chamavam de cara de pau, mas ele não concordava com essa expressão. Preferia que fosse conhecido como sincero, afinal ele procurava falar a verdade da maneira mais honesta possível.
Suas atitudes não eram politicamente corretas, mas ele não brincava com os corações das mulheres, pois nunca gostou de ser enganado. Era sincero ao dizer que não queria nada sério, nada de compromisso, namoro nem nada parecido. O máximo que poderiam ter era uma espécie de amizade-colorida. Essas eram as suas regras.
Algumas mulheres aceitavam isso numa boa e até gostavam desse tipo de envolvimento. Entretanto, algumas delas se apegavam já no segundo encontro, planejando o futuro, falando em relacionamento, e ele tinha que relembrar as regras de convivência. E aqui surgia o problema: algumas garotas queriam conquistá-lo de qualquer maneira, pois achavam que era um desafio. E, no meio dessas, existiam algumas extremistas.
Noah sabia lidar com a maioria das mulheres que ele ficava. Geralmente, ele conseguia administrar bem quando existia um conflito de interesses, pois a maioria delas (e eram muitas) eram pessoas legais, divertidas e simpáticas. Por mais que não concordassem com as regras dele, elas aceitavam o fim sem maiores complicações.
Entretanto, três garotas infernizaram a vida de Noah. Perseguição, armação, chantagem, insistência desmedida, difamação, coisas que ele pensou que só aconteciam em novelas mexicanas. Ele não entendia por que elas agiam assim, afinal de contas eram bonitas e poderiam encontrar facilmente outra pessoa, mas quem entende o fanatismo?
Por sorte, com o tempo e vendo que nada daquilo estava funcionando, elas perceberam que não se pode obrigar ninguém a amá-las e que deviam seguir em frente.

Após dois ou três encontros com Noah, geralmente a garota perguntava por que ele não queria namorar e ele sempre respondia que era uma questão de escolha, que tinha decidido que não se relacionaria com ninguém por enquanto e estava achando muito bom assim.
– Eu acredito que, mais pra frente, vou encontrar uma mulher especial e vamos passar a vida toda juntos – ele dizia e até parecia romântico nesse momento. Inevitavelmente, a garota não gostava da resposta porque queria ser essa mulher especial.
– Talvez essa sua fama de pegador afaste essa mulher… – disse ela.
– Pela minha experiência, as mulheres têm uma tendência a gostar de homens com muita experiência com outras mulheres. Mas ninguém consegue agradar todo mundo e por isso sempre vai ter alguma garota que não vai gostar de mim e isso é natural. Pra você ter uma ideia, já fiquei com vários tipos de garotas, das mais certinhas às mais atiradas. Então, acho que minha fama na verdade até me ajuda… De qualquer forma, tenho que conviver com isso e, se essa mulher aparecer, minha vida de pegador vai acabar – ele falava sorrindo.
– Você se acha demais – ela reclamou.
– Sou apenas um homem confiante e sincero, que sabe o que quer. Às vezes, isso é confundido com arrogância. Você mesma falou dessa minha fama e me fez uma pergunta, que eu respondi da forma mais honesta possível. É até engraçado você pensar assim, pois você vê que sou um cara simples, sem frescuras, e te trato bem, de maneira educada...
– Mas você é muito frio – ela disse.
– Pelo contrário, eu sou muito quente! Vem cá pra você ver.
E Noah era assim. Não enganava ninguém, não prometia nada e não se culpava. Algum dia a mulher especial apareceria, ele acreditava nisso e esperava que não fosse tão rápido. Por enquanto, continuava com as suas regras de convivência. Chamavam-no de cara de pau, galinha e mulherengo, e ele não escondia que era um garanhão, mas era um garanhão sincero.


Você não pode me estranhar só porque eu falei a verdade. Pior seria te iludir o tempo todo. Não vejo vantagem. Você precisa entender meu jeito de te querer. Pode até não ser como você imaginou, mas eu te quero, eu te venero, eu te adoro, eu só não vou te enganar porque eu sou sincero, sou sincero. Baby, eu sou sincero, sou sincero”. Trecho da música Sincero, do cantor Lulu Santos.


8 comentários:

  1. Olá, Diego.
    Mais um texto ótimo. Parabéns! Eu particularmente prefiro sempre a verdade. Mas infelizmente tem mulheres que mesmo o cara sendo sincero acham que vão mudar ele e depois quebram a cara.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  2. Oi Diego,
    Que texto lindo, adorei! Não expôs mais que a verdade. Parabéns, moço..

    Abraços,
    https://tonylucasblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Oi Diego,
    Achei o texto bem realista haha porque toda mulher já conheceu um Noah, às vezes mesmo sem nem sem envolver...
    Infelizmente, a carência nos leva a ilusão facilmente =/

    tenha um ótimo domingo:D
    Nana - Canto Cultzíneo

    ResponderExcluir
  4. Oi Diego, tudo bem?
    Hahaha garanhão sincero é ótimo! :P
    O importante é isso mesmo, ser transparente sobre as intenções pra não magoar ninguém.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  5. Olá Diego, tudo bem?
    Mais um texto ótimo. Todo mundo tem o direito de ser feliz do jeito que quiser né? Se o Noah está bem assim e não está prometendo "rios e fundos" a ninguém, deixem o cara ser assim...rs.
    Abraços!

    http://excentricagarota.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi, Diego!
    Menino, eu sou o Noah! kkkkkkkkkkkkkkkk
    Adorei o texto.
    Beijo

    Canastra Literária | Facebook | Twitter

    ResponderExcluir
  7. Adoro seus textos e com esse não foi diferente! Existem muitos Noahs, por aí, né? haha a parte boa é que ele deixa bem claro e não brinca com os sentimentos de ninguém.
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

    ResponderExcluir
  8. Oi Diego!
    Passando pra agradecer o comentário e avisar que tem post novo. =)
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.