quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Bebida

Era sábado à tarde, perto das duas horas, e Gustavo resolveu sair com os amigos para beber um pouco, como faziam quase todos os fins de semana.
Lá pelas cinco da tarde, quando eles já tinham bebido e se divertido bastante, ele decidiu que queria ir para um lugar mais movimentado e beber mais um pouco.
Os seus amigos não queriam deixar Gustavo dirigir, afinal ele tinha bebido demais, mas ele insistiu tanto que seus amigos permitiram.
Enquanto isso, algumas crianças brincavam de bola numa rua distante e sem muito movimento. Elas se divertiam com a inocência ainda intacta e com a alegria estampada em seus sorrisos.
Gustavo saía do bar em que estava e trafegava no seu carro novo pelas ruas da cidade a toda velocidade. Ele não costumava fazer isso. Era um sujeito comportado e pacato, mas quando bebia ficava impulsivo e descontrolado.
A mãe de Leonardo, uma das crianças que brincava de bola, gritou:
- Menino, vem pra casa. Sai do meio da rua.
E Leonardo saiu da rua no instante em que Gustavo dobrou e colidiu com três crianças, que morreram no mesmo instante. O impacto foi tão forte que as crianças foram arremessadas a dezenas de metros de distância.
Enquanto Gustavo fugia, ninguém se lembrou de anotar a placa do carro porque estavam muito preocupados em socorrer os meninos acidentados.
Naquele momento a dor era maior. Havia um desespero no ar, gritos e lamentos. Os culpados podiam esperar. Logo seriam identificados, pois o carro de Gustavo era o único daquele tipo na cidade.


Num cruzamento tão normal de uma cidade em alta velocidade a morte veio e a levou.” Trecho da música O acidente do cantor Amado Batista.

9 comentários:

  1. Oi Diego, tudo bem?
    Lembrei daquele caso do homem que bebeu e atropelou um senhor idoso há alguns meses. O senhor morreu na hora. :(
    Então sua história é triste, mas verossímil, como sempre. Uma pena que as pessoas ainda façam isso. :(
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  2. Olá, Diego.
    Seus textos são tão bons, que poderia ser verdade o que está escrito ali. Se você disser que é eu acredito. Infelizmente casos como esse acontece a todo instante. Acabou de acontecer aqui na região a semana passada. E o cara era delegado e já estava com a carteira suspensa por dirigir bêbado.

    Blog Prefácio

    ResponderExcluir
  3. Olá, Diego! Tudo bem?

    Infelizmente, existem muitos Gustavo´s mundo à fora. Texto muito reflexivo e de certo modo triste, afinal, crianças inocentes morreram, o que infelizmente faz parte da nossa realidade.

    Até mais. http://realidadecaotica.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Menino olha eu aqui de novo (meu xará, rs.)!
    Mais um texto curto, mas que diz muito. H´tantos casos como esse acontecendo a todo temo, não é mesmo?
    Essa cena que você narrou me impactou muito: de um lado as crianças que morreram com o atropelo, do outro a criança que viu a morte de perto e o que fica na mente dela depois disso.

    Parabéns por mais esse texto.

    Um abraço.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com
    Instagram: @vidaeletras

    ResponderExcluir
  5. Conforme eu fui lendo o desespero foi batendo,
    O pior é saber que esse texto é "real", já que é uma situação comum de ver,
    Beber e dirigir não dá, ainda coloca em risco a vida de pessoas inocentes,
    Ótimo texto,
    Beijoos,
    Sétima Onda Literária

    ResponderExcluir
  6. Oi, Diego! Tudo bem? Isso que dar beber e dirigir, né? :/ É uma pena que isso aconteça muito na nossa realidade.

    Abraço

    https://tonylucasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi, Diego,

    Outro dia uma professora minha disse: "A cultura brasileira é tal que achamos mais vantagem descumprir as leis do que obedecê-las, mesmo sabendo que elas foram feitas para nos proteger (em teoria). Como por exemplo no trânsito."

    Um dia quem sabe eu entenda porque todo esse amor ao automóvel, essa necessidade de estar atrás do volante mesmo sem ter condições pra isso. Cenas como a que tu descreveu são mais frequentes do que deveriam ser. E nesse instante ela está acontecendo, em algum canto do nosso país. Não sei se isso é egoísmo ou arrogância - quem sabe os dois.

    Tô vindo lá d'O que tem na nossa estante, onde tu já comentou alguns posts meus, sendo o último sobre a biografia do Julio Reny. Fico feliz que tenha gostado do meu texto e espero que tenha te interessado em ir atrás de mais canções dele. Ele faz um bem danado pra alma.

    Abraço e boa semana!

    ResponderExcluir
  8. Oi Diego, tudo bem?
    Passando pra agradecer o comentário e avisar que tem post novo. =D
    Beijos,

    Priscilla
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  9. Oi Diego,
    Que texto realista, já vi tantos casos assim, até por aqui.
    Pior ainda, como a pessoa tem essa maldade em cima de crianças?

    Nana - Obsession Valley

    ResponderExcluir

Suas palavras serão bem vindas. Seu comentário será respondido em sua página. Muito obrigado por comentar.